Construção & Isolamento Térmico

Construções modulares sustentáveis: obras dez vezes mais rápidas e energeticamente eficientes

Jorge Grez Altamirano, arquiteto e sócio da Construtec, apresenta a obra da fábrica da Empack, em Santiago do Chile, construída com elementos pré-fabricados, como os painéis de isolamento térmico de poliuretano (PUR) e de poliisocianurato (PIR)

A proposta começou com um grande desafio: transformar uma obra tradicional, que havia sido projetada com alvenaria, em uma construção mais produtiva e consciente, pertinente aos novos rumos que a construção vem tomando na América Latina.

O edifício de aproximadamente 2.280 m2, localizado no Parque Industrial Enea, a cerca de treze quilômetros do famoso Palácio de la Moneda, em Santiago do Chile, abrigaria a planta industrial da fábrica da Empack, referência em embalagens e acondicionamento para a indústria farmacêutica, vinícola e alimentícia. 

Distribuídos em quatro andares, com subsolo, pátio inglês e um galpão de produção de embalagens, o local deveria atender os planos de expansão da líder de mercado. “Nossa proposta foi construir um edifício de forma  mais produtiva, sustentável e de baixo custo. Um projeto que deixa de lado as incertezas quanto a prazos e custos, típicos das obras tradicionais”, explica Jorge Grez, arquiteto e sócio da Construtec, empresa responsável pelo projeto e que incorpora a sustentabilidade em suas construções.

A rápida execução e a montagem da obra, geram custos até 20% inferiores do que os sistemas tradicionais, economia de energia, menor ruído, poluição e quantidade de resíduos, além de reduzir a necessidade de manutenção e garantir a facilidade de limpeza do projeto.

O sistema construtivo com estruturas metálicas e painéis de isolamento térmico de poliuretano (PUR) e de poliisocianurato (PIR), seja para paredes, coberturas  ou e lajes colaborativas, oferecem mais segurança em caso de incêndios, já que possuem propriedades resistentes ao alastramento do fogo.

“Toda a arquitetura pensada para o projeto original, como cômodos, pisos e decoração, que seria em alvenaria, foi mantida. Também foram preservadas as exigências técnicas, como estação de esgoto, elevador, ar comprimido, sistemas de climatização, conexões sanitárias e elétricas. Para garantir a entrega no prazo, reduzir os custos, manter o orçamento estabelecido e prover uma obra mais energeticamente eficiente e sustentável, a solução foi adotar os painéis de isolamento térmico de PUR e PIR”, diz.

Com a chegada da Covid-19, o uso dos painéis de isolamento térmico de poliuretano (PUR) e de poliisocianurato (PIR) se tornou ainda mais importante para o setor da saúde, que está demandando de métodos de construção mais rápidos para as unidades de terapia intensiva.
Incorporar tecnologias mais modernas, como os sistemas de parede com painéis de isolamento térmico de poliuretano (PUR) e de poliisocianurato (PIR) que levam em conta a eficiência energética e a engenharia pré-fabricada, tornam a obra mais produtiva e a construção mais eficiente.

Em termos de produtividade e sustentabilidade, alguns elementos merecem destaque:

  • Os painéis de isolamento térmico de poliuretano (PUR) e de poliisocianurato (PIR) reduzem consideravelmente a necessidade de ventilação artificial (ar-condicionado). O poliuretano proporciona isolamento térmico de alta eficiência, a temperatura interna da construção é até 10oC menor que a externa. Com o conforto térmico, o uso de sistemas artificiais de ventilação, como o ar-condicionado, é reduzido: calcula-se um gasto energético mensal até 73% menor em construções feitas com painéis de isolamento térmico de poliuretano;
  • O projeto de ar-condicionado é baseado em UE (unidades externas) e UI (unidades internas tipo split), sem refrigeradores de água. Os refrigeradores consomem muita energia, têm alto custo e requerem reforço estrutural;
  • Menor consumo de água durante a obra, pois requer menos limpeza;
  • Alta produtividade: em uma obra convencional duraria cerca de 16 meses para sua conclusão, enquanto com os painéis, foi possível terminá-la em 7 meses 
  • Menor perturbação do entorno devido ao menor tempo de construção – a montagem com e painéis é mais silenciosa;
  • Economia com os custos de obra: o custo 20% mais baixo do que os sistemas tradicionais, dependendo de cada projeto; 
  • Planejamento financeiro: orçamento do projeto é mais acurado evitando gastos além do previsto;
  • Manutenção reduzida: o edifício requer somente limpeza do exterior. Em obra convencional, a pintura de fachada se faz necessária a cada cinco anos.
  • Ausência de umidade nas paredes e condensação interna.

O projeto Construtores do Amanhã visa acelerar a inovação na indústria da construção e educar os profissionais da área quanto a métodos construtivos mais sustentáveis, produtivos e inovadores, que proporcionam à sociedade mais conforto térmico, segurança e eficiência energética.

Entenda a obra, confira alguns detalhes da obra:

  1. São 2.280 m2 distribuídos em quatro andares, com subsolo, pátio inglês e um galpão de produção de embalagens.
  2. O sistema construtivo baseado em estruturas metálicas e painéis de isolamento térmico de poliuretano para paredes e coberturas e lajes colaborativas – feitas de chapa de aço galvanizado é muito mais seguro em caso de incêndios e terremotos.

    Jorge Grez, arquiteto e sócio da Construtec Chile, afirma que as construções modulares são indicadas para edifícios industriais, mas não só: “Edifícios educacionais, institucionais, de serviços, militares e edifícios tecnológicos podem ser construídos e mantidos de forma muito mais racional e eficiente se forem feitos de forma modular e industrializada.”

  3. Conforto térmico como prioridade. Além do conforto proporcionado pelo uso dos painéis de isolamento térmico de poliuretano, o projeto de climatização do edifício foi feito com base em unidades exteriores e em unidades interiores do tipo split (sem refrigeradores de água, que consomem muita energia, têm alto custo e requerem reforço estrutural).
  4. A segurança contra incêndios foi outro benefício que motivou a opção pelo painel de isolamento térmico de poliuretano. Os materiais que compõem os esses painéis impedem que eles propaguem rapidamente o fogo em caso de incêndio. “As normativas contra incêndios são bastante rígidas na América Latina, como a NFPA 101, Código de Proteção da Vida; a NFPA 1, Código de Incêndio; a  NFPA 72, Código Nacional de Alarme de Incêndio e Sinalização, e a NFPA 13, Norma para Instalação de Sistemas de Sprinklers. A Construtec cumpre com todas as normas, optando por materiais retardantes de chama”, conta o arquiteto. A National Fire Protection Association (NFPA) difunde no mundo todos os códigos e normas usados pela indústria na proteção contra incêndios e pela segurança humana.
    Além disso, esse sistema construtivo auxilia na obtenção de certificados de sustentabilidade como LEED e AQUA-HQE, por ter sua pontuação elevada pelo uso de painéis (a obtenção de um certificado verde está condicionada a diversos outros fatores, mas os painéis podem proporcionar uma vantagem significativa para a conquista).
  5. Como os materiais usados na construção são, em sua grande maioria, industrializados, eles passam por um rigoroso controle de qualidade desde a origem, o que garante padronização e menos riscos de segurança para a obra e os trabalhadores.

*O crédito de todas as fotos é Construtec Chile/divulgação

Comentários